“Tem sido um desafio e um desgaste físico. Mas, estamos fazendo nossa parte como educadores, tentando levar aquilo que temos como missão, que é estar preocupado com o ensino e aprendizado das nossas crianças e jovens.” O professor Telmo Ribeiro, de 48 anos, ganhou destaque nacional esta semana, após a história dele viralizar nas redes sociais. Ele leciona na escola indígena Presidente Afonso Pena, dentro da reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima.

Formado em Comunicação e Arte pela Universidade Federal de Roraima (UFRR), Telmo ensina para alunos do  6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. A cada 15 dias ele precisa deixar a reserva, percorrer 30 KM, imprimir as atividades e voltar. Na escola não tem impressora e o equipamento só é encotnrado na região do Lago Caracaranã. São duas horas usando moto, bicicleta e a pé, atravessando igarapé cheio, estrada e a falta de barco ou canoa. Não há nada, apenas a vontade.

A saga de duas horas até chegar com o material dos alunos

“O povo sofre. Nós estamos em 2020, mas dá a impressão que esses lugares estão parados em 1980. Mas, se nós não fizermos pelo nosso povo, as pessoas de fora não vão vir fazer, pelos desafios que enfrentamos”.